Capitulo 99 – Noruega

julho 13th, 2013

Noruega, a mais desconhecida das monarquias nórdicas, e como sempre, cheia de surpresas. Começo pelo nome da capital: Oslo. Segundo algumas possíveis interpretações e traduções das línguas ancestrais, quer dizer “planície ao pé da colina”, ou seja : Piemonte !!!  Uauuu …. encontrei a minha primeira ligação com essa terra.

Se a Suécia e a Dinamarca eram caras, o que dizer da Noruega? Bem mais cara. O povo daqui vai fazer supermercado na Inglaterra, que parece uma pechincha ….. E tudo proibitivo mas passei dois dias comendo salmão norueguês, a comida mais barata que tem por aqui, custa a metade de um hambúrguer normalzinho.  Depois de algumas horas o melhor é parar de fazer contas porque senão da um certo desespero, então vai passando o cartão, porque pagar em dinheiro é mais complicado, e relaxa. Leia mais… »

Capitulo 98 – Dinamarca

julho 13th, 2013

Entrei na Suécia, sai da Suécia, entrei na Dinamarca e ate agora ninguém quis ver meu passaporte. Nem no aeroporto, nem no hotel,  nem no trem, ninguém nem olhou direito para mim. Isso é o que a minha latinidade mais ressente: a falta de um olhar.

Em Copenhagem me sentei em um parquinho infantil para comer minha salada-almoço comprada no supermercado e fiquei observando as criancinhas correrem de lá para cá, passarem por mim e não me darem nem uma olhada, nem um sorriso. Suas mães/tias/avos tampouco.  Você parece sempre transparente.  As pessoas passam por você e não percebem que ali existe um ser vivo.

Mas vai além, o hotel reservado na cidade não tem recepção. Um dia antes da entrada eles te mandam um sms com um código para se digitar na porta do prédio e o numero do teu apartamento. A partir das 16 horas o código fica ativo e basta você digitar esse numero de seis dígitos nas cinco portas que te separam da tua cama e vc terá acesso ao teu micro quarto. Mas se precisar de alguém, dançou, não existe nenhum ser humano além de outros hospedes perdidos. As 12h00 o código è desativado e se vc tiver deixado tuas malas no quarto para ir na esquina, de novo, dançou! Leia mais… »

Capitulo 97 – Suecia

julho 13th, 2013

Depois de um trem de Torino a Milano, um ônibus de Milano a Bergamo, um voo Ryanair de Bergamo a Svanska, o aeroporto low cost e very far, na região de Stockholm, uma viagem de 1h40 ate a Estação de trem central e um taxi sob a chuva, enfim cheguei, de madrugada no meu hotel na capital sueca.

Na fila de embarque, em Bergamo, percebi que por mais que a gente resista, somos muito propensos a cair em estereótipos. Eram duas filas, lado a lado, a do voo para Palermo e a do voo para a Suécia. Achei que a fila de Palermo seria só de italianos baixinhos e morenos, enquanto a outra seria de monstros loiros. Me equivoquei, tinha de tudo em ambas mas é claro que os italianos estavam super agasalhados com as baixas temperaturas desta primavera, que não vai além dos 18°, enquanto os suecos estão de short, camiseta e sandália, curtindo o sol entre as nuvens.

Depois da viagem a Napoli, Stockholm é um choque. Muita gente parada na faixa de pedestre esperando o sinal verde, mas mesmo se alguma incauta brasileira pisa na faixa antes do sinal abrir, o motorista para imediatamente. Leia mais… »

Capitulo 96 – Napoli – Parte 2

julho 13th, 2013

Depois de menos de 48 horas em Napoli não é que da para escrever um guia sobre este lugar, mas algumas coisas são legais de registrar.

Primeiro posso explicar um pouco, e superficialmente, a origem da cidade e consequentemente de seu nome.

Esta região era parte da Magna Grécia, ou seja, de origem grega e não romana. Era uma colônia chamada “Neapolis” que significa “cidade nova”, dai seu nome em versão italiana ser “Napoli”.  A relação com Roma veio mais tarde, por volta do ano 300 a.C. e estava baseada em um frágil equilíbrio que alternava ameaças, guerras e declarações de amizade ou fidelidade. Neapolis era mais fraca do que o vizinho do norte, mas mesmo assim conseguiu manter suas tradições, festas, teatros  e não deixou de ser um centro refinado de cultura grega.  Depois foi invadida e anexada por vários  outros reinos e conquistadores mas a experiência que deixou marcas ainda muito presentes  é a do período das Duas Sicílias, sob domino espanhol. Leia mais… »

Capitulo 95 – Napoli – Parte 1

julho 13th, 2013

Estamos no trem para Napoli. Lotadíssimo. Muita gente de pé nos corredores e sentados na escadinha de saída, algo muito difícil de ver no norte.  O trem faz um milhão de paradas, sobe e desce muita gente no caminho. De repente aparece um vendedor de agua. Anda com um balde cheio de garrafinhas de agua e me faz lembrar os vendedores de bolachas e chocolate nos ônibus de São Paulo. Me sinto em casa.

Depois de umas três horas, chegamos.

A primeira aventura é encontrar o hotel. Fica perto da estação de trem, mas como a praça esta em reforma, é tudo muito caótico. Precisamos atravessar uma rua bem movimentada e parecemos dois suecos, esperando na faixa de pedestre que abra o sinal para nós enquanto os locais vão atravessando a rua, driblando os carros que passam em velocidade. Quando o sinal fica verde começamos, os dois, a sambar na frente dos carros, driblando os motoristas que não estão nem ai para as cores do semáforo e passam, daltônicos, sobre quem estiver na frente. Temos que entrar no ritmo napolitano onde não existem algumas regras, especialmente estas de semáforos e faixas de pedestres. Ao nosso lado pára uma van e observando as pessoas que entram e saem,  intuo que se trata de uma “lotação” napolitana, igualzinha as nossas.  Na minha opinião essa gente acharia o Largo Treze, no bairro de Santo Amaro, um pedacinho da Suiça. Mas estamos entrando em outro mundo. Aqui não é como no resto da Itália que eu conheço. Leia mais… »